• Luxo Aju

Política by Adiberto de Souza



Sergipe quebrou na solda

Diferente da imagem de paraíso na terra, demagogicamente pintada pelos governistas na última campanha eleitoral, Sergipe está falido, quebrou na solda. Tanto isso é verdade que o governador Belivaldo Chagas (PSD) ameaça decretar calamidade financeira no estado. Essa drástica medida permitirá ao Executivo renegociar contratos com fornecedores, suspender serviços não essenciais, remanejar recursos, etcétera e tal. Ou seja, a prometida bonança alardeada na campanha não passou de uma miragem. A realidade nua e crua é que Sergipe chegou ao fundo do poço. E isso aconteceu muito pela incompetência das últimas administrações estaduais que, para não contrariar os aliados e proteger apaniguados, deixaram de fazer o dever de casa. Pior para os sergipanos, que serão ainda menos assistidos pelo Executivo, além de ser uma tragédia para os empresários parceiros deste governo em petição de miséria. Uma lástima!

Fafen já era!

Na reunião de depois de amanhã, a diretoria da Petrobras deverá bater o martelo sobre o fechamento das Fábricas de Fertilizantes Nitrogenados de Laranjeiras e Camaçari. A ideia da estatal era arrendá-las. Como não apareceu interessado, a petroleira simplesmente fechará as duas fábricas no próximo dia 31. Ou seja, a produção de amônia e ureia será interrompida no próximo dia 31, causando um enorme prejuízo aos estados de Sergipe e da Bahia. Crendeuspai!

Lobby em vão

O engenheiro Ubirajara Barreto é o novo secretário estadual de Desenvolvimento Urbano. Apesar do forte lobby dos empreiteiros em favor da manutenção de Valmor Chagas na Sedurb, o governador Belivaldo Chagas escolheu “Bira”. O novo secretário foi indicado pelo tio e ex-governador Jackson Barreto (MDB). Ele é funcionário da Prefeitura de Aracaju e atualmente ocupa a vice-presidência da Empresa Municipal de Urbanização.

Bem com a oposição

Parte da oposição participou, ontem, do ato em que o prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) autorizou obras na avenida Euclides Figueiredo, na zona Norte de Aracaju. O evento foi prestigiado pelos deputados federais oposicionistas André Moura (PSC), Adelson Barreto (PR) e Jony Marcos (PRB). Os três votaram a favor da emenda impositiva no valor de R$ 7,6 milhões visando a execução de micro e macrodrenagem para acabar com os alagamentos daquela avenida. A obra será concluída em dezembro. Melhor assim!

Volta ao batente

E quem está de volta ao batente é o deputado federal Fábio Mitidieri (PSD). Ele postou nas redes sociais que está retornando aos trabalhos após um período de férias com a família: “Venho de bateria recarregada, coração leve e, neste momento, com zero de preocupação sobre as eleições futuras”. Mitidieri diz que esta é a hora

de trabalhar “pra fazer jus a todo apoio que recebi”. Então, tá!

Censura nunca mais

Não tem qualquer valor a famigerada Lei aprovada pela Câmara de Estância proibindo atividades pedagógicas sobre a reprodução do conceito de ideologia de gênero. O Tribunal de Justiça de Sergipe considerou o “monstrengo” inconstitucional por ser discriminatório. Segundo o Ministério Público, a tal Lei comprometia a liberdade de docência, a partir de conduta que manifesta censura pedagógica à orientação sexual. Misericórdia!

PT na cultura

A ex-deputada estadual Conceição Vieira (PT) foi empossada, ontem, na presidência da Fundação de Cultura e Arte Aperipê de Sergipe. Subordinada à Secretaria Estadual da Educação e Cultura, a fundação é responsável pelas TV e rádios Aperipê, teatros e demais equipamentos culturais do governo. A solenidade de posse foi presidida pela vice-governadora Eliane Aquino (PT).

Pé atrás

E o deputado federal eleito Fábio Henrique (PDT) é a favor da reforma da Previdência, porém faz uma ressalva: “Eu não voto num projeto que cause prejuízo aos direitos adquiridos”. Segundo o pedetista, se o Congresso não aprovar a reforma previdenciária os governos federal e estaduais não terão dinheiro para pagar aos aposentados. Fábio garante que não se furtará ao debate sobre a reforma da Previdência. Muito bem!

Saúde falida

Metade das prefeituras brasileiras - 2.800 ao todo - gastou menos de R$ 403,37 na saúde de cada habitante em 2017. Levantamento do Conselho Federal de Medicina mostra que este foi o valor médio aplicado por gestores municipais com recursos próprios em ações e serviços públicos de saúde. O estudo revela que e São Cristóvão e Lagarto foram os municípios sergipanos que menos gastaram com a saúde da população. Homem, vôte!

Recorte de jornal


Publicado no Correio de Aracaju, em 1º de julho de 1939.

#política

1 visualização