• Luxo Aju

Política by Adiberto de Souza


Bolsonaro é comunista?


Tomando por base a forma caolha como certos bolsonaristas enxergam a realidade, é possível ver traços comunistas no presidente Jair Bolsonaro. Ao estimular as exportações de carne, enquanto o alto preço fez o produto sumir das mesas dos brasileiros, o presidente lembra Mao Tse-Tung. O governo desse chinês era dono de toda a produção de alimentos e, em nome de aumentar a receita do país, matou de fome milhões de pessoas. Quando fecha os olhos para o preconceito de gênero, Bolsonaro lembra a Rússia do comunista Vladimir Putin, onde a homofobia é patrocinada pelo governo, que considera os homossexuais pessoas doentes. E o que dizer do desejo do presidente de transformar o Exército numa força paramilitar? Parece ou não os ditadores venezuelanos Hugo Chávez e Nicólas Maduro? No país vizinho as Forças Armadas estão a serviço do presidente de plantão. Para ser retratado como um vermelhinho de quatro costados só falta Bolsonaro querer punir os jogadores da Seleção Brasileira que se recusarem a jogar a Copa América. Aí ele repetirá o governo da Coreia do Norte, que obrigou os jogadores da Seleção daquele país, desclassificada na Copa do Mundo de 2010, a ficarem de pé durante seis horas ouvindo críticas de 400 integrantes do Partido Comunista. A punição mais dura foi para o técnico: obrigado a trabalhar como operário na construção civil. Misericórdia!

Não abre mão


O deputado federal Valdevan Noventa (PL) tem dito que não abre mão de disputar uma cadeira no Senado em 2022. Embora garanta não ter qualquer problema com a direção do Partido Liberal, o parlamentar confirma que vem conversando com outros partidos sobre o próximo pleito. Valdevan cita, inclusive, o do Solidariedade, dirigido pelo deputado federal Paulinho da Força, seu velho parceiro das lutas sindicais em São Paulo. Ah, bom!


Balaio de gatos


Na época da UDN e PSD quem era de um lado não dirigia sequer a palavra a alguém de outra facção. Hoje, com a ideologia em desuso em todos os partidos, formam-se coligações com variados pensamentos entre seus integrantes. Como os caciques partidários estarão preocupados unicamente em vencer as eleições de 2022, devem se juntar com adversários de ontem para enfrentar aliados de hoje. Será nessas alianças políticas, assemelhadas a um balaio de gatos, que o eleitor terá a difícil missão de escolher quem governará Sergipe. Só Jesus na causa!


Alta médica


Recuperado da covid-19, o ex-senador e médico Eduardo Amorim (PSDB) recebeu alta ontem. Ele estava internado no Hospital Primavera desde o último dia 3, depois de ter sofrido queda do nível de saturação e persistência de alguns sintomas do coronavírus. Após deixar a unidade hospitalar, o tucano postou o seguinte nas redes sociais: “Pessoal, graças ao bom Deus, à Medicina, ao apoio da minha família e às orações de vocês, estou me recuperando bem e retornando para casa”. Que ótimo!


Empurra-empurra


Embora muita gente ache estranho, é natural os partidos ameaçarem romper com os aliados se seus pré-candidatos majoritários forem preteridos. Esta é a fase de plantar verde para colher maduro. Ademais, os políticos sabem que se não abrirem os braços agora podem ser engolidos pelos mais afoitos, ficando fora da chapa majoritária. Apesar do empurra-empurra, a tendência é que, até as convenções do próximo ano, todos cheguem a um consenso. Danôsse!


Arrependimento mútuo


E o senador Alessandro Vieira (Cidadania) confessou que se arrepende profundamente por ter votado no presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ele lamenta que o ex-aliado acredite em tratamento precoce contra a covid-19 e aposte na existência de um complô global e comunista. “É uma situação inacreditável”, lamenta o senador. Nem precisa dizer que após a confissão do senador, os bolsonaristas postaram nas redes sociais que também estão arrependidos por terem votado em Alessandro Vieira. Marminino!


Saída honrosa


As línguas ferinas têm espalhado pelas esquinas de Aracaju que muitos políticos estão contrariados por terem sido esquecidos pelo prefeito Edvaldo Nogueira (PDT). A quem andou “plantando” notinhas na imprensa dizendo que seria auxiliar do pedetista nessa nova administração, só resta seguir o conselho dado, certa feita, pelo saudoso político mineiro Tancredo Neves: “Diga que foi convidado, mas não aceitou e que eu fiquei muito decepcionado com a sua recusa”. Cruz, credo!


De olho em 2022


O ex-deputado estadual André Moura (PSC) postou nas redes sociais foto ao lado da senadora Maria do Carmo Alves (DEM) legendada com a frase “juntos por Sergipe”. Ambos prestigiaram inaugurações de obras em Japaratuba, município administrado pela esposa de André, Lara Moura (PSC). Uma praça do povoado Várzea Verde foi reformada com recursos destinados pela senadora. Há quem garanta que se resolver mesmo se aposentar da política, dona Maria do Carlo apoiará a candidatura de André Moura para o Senado. Então, tá!


Prioridade é a vida


O deputado estadual Zezinho Sobral (Pode) estranhou a rapidez como o governo federal deu o “tá okay” para a realização da Copa América no Brasil. “Como é que responde um e-mail sobre o evento esportivo em 10 minutos e demora nove meses para resolver a questão da vacina?”, questiona Sobral. Após afirmar que eventos esportivos são importantes para o turismo e para o desenvolvimento do país, o deputado volta a indagar: “Mas a Copa América é prioridade? E a vacinação e a compra de insumos?”. Home, vôte!


Portas fechadas


Filiados do MDB não cansam de reclamar contra o isolamento do partido desde que o deputado federal Fábio Reis assumiu seu comando no estado. Outro dia, o deputado estadual emedebista Garibalde Mendonça disse que as decisões da legenda ocorrem “às portas fechadas e com muito pouca presença de filiados”. Talvez seja por isso que o ex-governador Jackson Barreto está de malas prontas para deixar o MDB velho de guerra. Crendeuspai!


Recorte de jornal



Publicado no jornal aracajuano A Tribuna, em 31 de outubro de 1931.