top of page
  • Foto do escritorLuxo Aju

Política by Adiberto de Souza

Políticos só voltam a trabalhar depois do Carnaval


Diferente do pobre mortal, que sua a camisa de sol a sol pela sobrevivência, os políticos com mandatos só retornarão ao “batente” depois do Carnaval. Aliás, muitos vão permanecer na vida mansa mesmo após a folia. É claro que há exceções, mas são poucas. Como 2023 é um ano sem eleições, boa parte da classe política empurrará os problemas da população com a barriga, só devendo prometer resolvê-los em 2024, por ser um ano eleitoral. Não pense que com retorno das atividades legislativas, nessa quarta-feira, os políticos vão arregaçar as mangas, trabalhar pelo povo. Como não precisam bater ponto, eles comparecem ao Parlamento quando podem, bebem água gelada e cafezinho, jogam conversa fora e tchau. Para muitos vereadores, deputados e senadores, se a vida parlamentar não fosse essa maciota não valeria a pena suar a camisa de quatro em quatro anos para conseguir um rendoso mandato. Êita Brasilzão sem jeito!


Voto bolsonarista


Ex-eleitor de Bolsonaro, o senador Alessandro Vieira (PSDB) deve votar no bolsonarista Rogério Marinho (PL) para a presidência do Senado. E ele já tem discurso para justificar o voto: “Quem descreve a eleição no Senado como uma disputa entre democracia e autoritarismo está enganado ou enganando alguém. A disputa é entre a permanência do grupo Alcolumbre/Pacheco na direção da casa e a eventual mudança de rumos”. Adversários do senador ex-bolsonarista juram que ele está tendo uma recaída. Home, vôte!


Comes e bebe


O governador de Sergipe, Fábio Mitidieri (PSD), reúne a imprensa sergipana em torno de uma farta mesa para falar sobre seu primeiro mês de gestão. Durante o regabofe, agendado para hoje, um hotel da Orla de Atalaia, o pessedista deve falar sobre as ações do governo visando enfrentar a fome que assola milhares de sergipanos. Fábio Mitidieri também falará aos coleguinhas sobre as promessas que lhe foram feitas pelos ministros do presidente Lula (PT). Ah, bom!


Dois a um


Dos três senadores de Sergipe, dois devem votar em Rogério Marinho (PL) para a presidência do Senado. Laércio Oliveira (PP) justifica seu voto afirmando que Marinho “é um amigo de longa data, com quem atuei, ainda como deputado, em diversas pautas para melhorar a geração de empregos no Brasil”. Alessandro Vieira (PSDB) também não deve votar em Rodrigo Pacheco (PSD), a quem já denunciou à Procuradoria Geral da República por suspeita de mal uso de recursos do orçamento secreto. Portanto, da bancada sergipana o pessedista só conta com o voto do senador Rogério Carvalho (PT). Marminino!


Apoio feminino


Mesmo estando com a reeleição garantida para presidente da Câmara Federal, o deputado Arthur Lira (PP) não dispensa votos, nem se cansa de fazer promessas. Ontem, o fidalgo reuniu as 91 deputadas federais para lhes prometer espaços no parlamento. Numa carta compromisso, o pepista jurou que vai aumentar a participação feminina na Câmara, enfrentar a violência contra a mulher, investir saúde da mulher, etcétera e tal. Nem precisa dizer que com esse discurso Lira já garantiu os votos das deputadas sergipanas Yandra Moura (União) e Katarina Feitoza (PSD). Então, tá!


De olho em 2024


Este é um ano sem eleições, porém os políticos só pensam nelas. Bastam ver um microfone ou um gravador na frente para eles citarem o pleito municipal de 2024. Era de se esperar que, terminada a refrega eleitoral do ano passado, a classe política se envolvesse de corpo e alma com os problemas da população, mas quem pensou assim errou feio. Portanto, os nossos políticos vão se ocupar agora em 2023 com especulações, possíveis costuras políticas e nada mais. Crendeuspai!


Troca de posto


O empresário Maurício Vasconcelos é o novo presidente da Associação Comercial e Empresarial de Sergipe. O distinto foi eleito, ontem, numa chapa única, para substituir Marco Pinheiro. Maurício é proprietário de uma loja de variedades no centro de Aracaju. Comandando uma diretoria que possui 50% de renovação, o presidente eleito promete dar um gás novo, com novas ideias e oportunidades para melhorar o ambiente de negócios em Sergipe. Entre os principais objetivos da nova diretoria da Acese, estão o trabalho para trazer novos associados e a realização de eventos, como o Almoço com Negócios. Aff Maria!


A mulher na política


Passados mais de 90 anos da conquista do voto feminino, as mulheres continuam com pouca representação na política. Embora sejam quase 50% dos filiados de todas as legendas, as distintas ficam com apenas 30% das vagas nas chapas proporcionais. Para que isso mude é preciso condenar o surrado argumento de que “elas não sabem fazer política”. Isso não passa de preconceito. Aliás, alguém já disse, com razão, que a presença feminina no meio político traz benefícios para todo o conjunto da população, além de contribuir para se alcançar a igualdade de gênero, algo essencial na sociedade machista em que vivemos. Misericórdia!


Índio quer transporte


A cheia do Rio São Francisco atingiu duramente os índios Xokós. Desde que a vazão diária do “Velho Chico” chegou a quatro mil metros por segundo, eles estão enfrentando dificuldades para deixar ou retornar à aldeia localizada na Ilha de São Pedro. As águas cobriram o único acesso à comunidade por uma estrada de terra, obrigando as famílias a se arriscarem em pequenas canoas. Os índios acusam a Prefeitura de Porto da Folha de fazer vistas grossas para o problema e temem que ocorra uma tragédia, pois as pequenas canoas podem virar devido a força da correnteza. Só Jesus na causa!


Festa para Yemanjá


Para marcar o 2 de fevereiro, dia de Yemanjá, adeptos das religiões de matriz africana vão lavar as escadarias da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Socorro. Nesta mesma data, os católicos comemoram Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, padroeira daquele município da Grande Aracaju. Yemanjá é considerada protetora dos pescadores e jangadeiros, mãe das águas, mãe de todos e todas. Também é conhecida como Ìyá Orí, “mãe de todas as cabeças”. Odò Ìyá!


Uma cidade diferente


Aracaju é mesmo a cidade dos contrastes. Já teve um cabaré chamado ‘Vaticano’ e uma ‘Padaria Central’ que ficava na esquina da rua Santo Amaro. Outro dia, fecharam a banca de revistas localizada justamente na Praça da Imprensa, sem falar que, no século passado, ao aportar em Aracaju o chinês Eng Fook Mau ganhou o apelido de “seo João”. Cruz, credo!


Comments


bottom of page