top of page
  • Foto do escritorLuxo Aju

Política by Adiberto de Souza

Pleno do TJ maior


O presidente da Assembleia, deputado Jeferson Andrade (PSD), recebeu a visita do presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Ricardo Múcio Santana. O ilustre foi entregar em mãos o Projeto de Lei aumentando de 13 para 15 o número de desembargadores. A resolução protocolada no Legislativo já foi aprovada por unanimidade pelo Pleno do Tribunal de Justiça. A última elevação do número de desembargadores aconteceu há 23 anos. “Com a criação dessas duas novas vagas daremos mais celeridade aos processos para o nosso Tribunal permanecer sendo um dos melhores do país de acordo com o Conselho Nacional de Justiça”, afirmou Múcio. Então, tá!


Bolsonaro subirá em qual palanque de Aracaju?


Ainda não há uma definição sobre qual partido em Aracaju receberá no palanque o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). O certo seria o próprio PL, mas a legenda dirigida no estado por Edvan Amorim nem definiu se terá candidato a prefeito em 2024. Por enquanto, o único postulante à Prefeitura simpático ao capitão de pijama é Mendonça Prado (DC), porém o partido dele não nutre simpatia pelo ex-inquilino do Palácio do Planalto. Ademais, o número de políticos simpáticos a Bolsonaro tem diminuído muito depois das trapalhadas do dito cujo com os ricos presentes vendidos por debaixo dos panos pelos assessores dele. Aliás, não duvidem se os próprios políticos de extrema direita optarem em vê-lo longe dos palanques, pois a sua presença significará a perda de votos aos borbotões. Misericórdia!


Dou-lhe uma...


Aparelhos eletrônicos e móveis da sede do PT em Aracaju vão a leilão para pagar uma dívida contraída pelo partido na campanha do senador Rogério Carvalho, em 2018. O “prego” da legenda é superior a R$ 332 mil e os bens penhorados valem algo em torno de R$ 30 mil. Recentemente, o PT informou que já pagou 60% do “pendura”, só não tendo encerrado essa pendenga ainda porque a empresa credora não aceitou os acordos propostos. Ah, bom!


Nadando na grana


O Banese atingiu a marca de R$ 8,6 bilhões de ativos ao final do primeiro semestre deste ano, um crescimento de 11,2% nos últimos seis meses. O resultado é reflexo, principalmente, do aumento das operações de crédito e das aplicações financeiras. O total de recursos captados pelo banco, de janeiro a junho, chegou a R$ 7,7 bilhões, um acréscimo anual de 5,6%, com destaque para as captações em depósitos a prazo, incluindo os judiciais, e depósitos interfinanceiros que registraram elevação de 7,4% e 44,4%, respectivamente, em comparação aos 12 meses anteriores. Quem pode, pode, quem não pode se sacode. Aff Maria!


Ó com um copo


Ao deixar a escola, apenas 7,3% dos estudantes atingem níveis satisfatórios de aprendizado. Segundo dados do Movimento Todos pela Educação, o índice é ainda menor quando consideradas apenas as escolas públicas. Somente 3,6% têm aprendizado adequado. Ou seja, 96,4% não aprendem o esperado na sala de aula e muitos deixam a escola sem saber fazer nem um ó com um copo. Marminino!


Bico seco


Muita gente em Sergipe está tendo dificuldades para fazer coisas simples como lavar as mãos e escovar os dentes. Na periferia de Aracaju e em vários municípios do interior água tratada é coisa raríssima. Sempre alegando problemas na tubulação, a Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) tem deixado o povo dias e dias sem água nas torneiras. Fofoqueiras de plantão têm espalhado por aí que essa crise da água visa desgastar a estatal perante os consumidores para justificar a sua privatização pelo governo. Será? Crendeuspai!


Ausência notada


As línguas ferinas andam espalhando pelas esquinas de Aracaju que foi por demais sentida a ausência do vereador pedetista Isac Oliveira no encontro promovido pelo PDT, ocorrido no último final de semana. Por que será que o parlamentar não compareceu ao evento organizado para discutiu as eleições de 2024? Há quem jure que Isac não deu as caras temendo ser convidado a deixar o ressinto, pois a executiva municipal do PDT deseja vê-lo pelas costas desde que ele resolveu descer a madeira na gestão do prefeito Edvaldo Nogueira (PDT). Home vôte!


País de negativados


Mais de um quarto da população com ganhos de até R$ 2 mil, gasta metade dos rendimentos com cartão de crédito, empréstimos consignado e pessoal, financiamentos de automóvel e imobiliário, além de cheque especial. Entre as pessoas com renda acima de R$ 10 mil, o percentual com estas despesas é de 13%. Segundo o estudo da Serasa Experian, a maioria (69%) das pessoas negativadas tem renda de até R$ 2 mil. Cruz, credo!


Eleições diferentes


Alguém precisa dizer aos políticos que cada eleição tem a sua história. Não é por ter sido eleito para a Assembleia Legislativa com uma montanha de votos que o distinto vai repetir a façanha no pleito municipal do próximo ano. Aliás, a história está cheia de exemplos. Campeão de votos em 1986, na disputa por uma cadeira no Parlamento estadual, o saudoso ex-governador Marcelo Déda (PT) achou que em 1988 se elegeria fácil prefeito de Aracaju: teve apenas 8% dos votos no pleito vencido pelo advogado Wellington Paixão. Coisas da política!


Luto oficial


O prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PDT), decretou luto oficial de três dias pela morte prematura do ex-vereador Thiaguinho Batalha. O ex-parlamentar foi vítima de um infarto fulminante na manhã do último domingo. O corpo de Thiaguinho foi velado no plenário da Câmara Municipal e sepultado, ontem, no Cemitério Colina da Saudade, em Aracaju. Ele era filho do diretor do sistema de comunicação Aperipê, radialista Carlos Batalha.


Segunda classe


A campanha eleitoral de 2024 terá dois tipos de candidatos: os contemplados pelo milionário Fundo Eleitoral e aqueles que não verão nadica de nada dos xibilhões. Como ocorreu no pleito passado, os partidos vão usar o dinheiro público para custear as campanhas dos candidatos a vereador com reais chances de vitória, principalmente as dos “donos” das legendas. Pior é que os relegados à segunda classe não terão a quem reclamar, pois a resolução da Justiça Eleitoral não deixa dúvida de que as siglas são livres para definir os critérios que serão empregados na distribuição de tais recursos. Arre égua!


Comments


bottom of page