• Luxo Aju

Política by Adiberto de Souza



Uma bancada federal de 2ª classe


Diferente de outros estados, onde suas representações no Congresso se destacam pelo protagonismo, a bancada federal de Sergipe é de 2ª classe. A grande maioria dos 11 deputados e senadores diz amém ao presidente de plantão - seja ele quem for - enquanto os ditos de oposição se contentam em repetir as palavras de ordem propagadas no Parlamento contra o governo federal. A única ação concreta de nossa bancada é a apresentação de emendas ao Orçamento da União. O já tradicional Prêmio Congresso em Foco é um dos exemplos de como estamos mal representados em Brasília. Na edição de 2020, apenas o petista Rogério Carvalho apareceu no grupo dos 10 melhores do Senado. Entre os 407 votados da Câmara Federal, a bancada sergipana ficou da metade pra trás, na rabeira mesmo. Uma vergonha! Essa péssima representação parlamentar se repete a cada quatro anos e é o resultado do voto de cabresto, da força do coronelismo e da falta de consciência política de grande parte dos sergipanos, que votam por favor, por dinheiro, pelo discurso bonito ou pela simpatia dos candidatos e candidatas. Enquanto Sergipe continuar votando mal, vai permanecer elegendo uma bancada federal sem protagonismo e, portanto, incapaz de defender o crescimento socioeconômico do estado. Misericórdia!


Outro fura fila


O prefeito de Moita Bonita, Vagner Costa (PSB), o “doutor Vagner”, gravou um vídeo informando ter furado a fila da vacinação contra a covid-19. O distinto explica que se apressou em colocar o braço na seringa por ser médico e cardiopata, mesmo sabendo que esta primeira fase de imunização é exclusiva para profissionais de saúde que trabalham com vítimas de coronavírus e idosos institucionalizados. Assim como “doutor Vagner”, o prefeito de Itabi, Júnior de Amynthas (DEM), furou a fila da vacinação, mesmo sem ser da área da saúde ou do grupo de risco. Home vôte!


De olho em 2022


Engana-se quem pensa que o ex-governador Jackson Barreto (MDB) sonha em pendurar as chuteiras. Entrevistado pelo jornalista Jozailto Lima, JB disse não pretender ficar de fora das próximas eleições, embora faça segredo sobre o mandato que tenciona disputar. Após deixar o governo, em 2018, Jackson tentou se eleger senador, porém só obteve 11,20% dos votos, ficando na quarta posição. Ano passado, o ex-governador também não conseguiu eleger seu pupilo Everto Souza (PDT) para a Câmara de Aracaju. Apesar do empenho pessoal de JB, o rapaz só teve 2.298 votos e ficou de fora do Legislativo. Aff Maria!


E o salário, ó!


Escudado na crise financeira, o governo de Sergipe continua se negando a recompor as perdas salariais sofridas pelos servidores públicos. Aliás, neste quesito, o Executivo sergipano desrespeita à Constituição Federal há quase 10 anos. O congelamento e o atraso dos salários de quem ganha mais de R$ 3 mil são a maior prova de que o governo estadual não prioriza quem, de fato, toca a máquina pública. Desconjuro!


País desigual


A situação educacional de jovens com idade entre 15 e 29 anos é um misto de avanços, problemas e desafios, de acordo com estudo divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. O estudo alerta que o processo de escolarização da maioria dos jovens ainda é marcado por oportunidades limitadas e que, no Brasil, prevalecem expressivas desigualdades educacionais entre ricos e pobres, brancos e não brancos, e moradores de áreas urbanas e rurais e das diferentes regiões. Santo Cristo!


Cadê a vacina?


O sergipano Belivaldo Chagas (PDS) está entre os 17 governadores que assinaram uma carta cobrando providências ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para garantir a produção de vacinas contra a covid-19. Os gestores estaduais pedem ao capitão de pijama que viabilize com a China e a Índia os insumos necessários para assegurar a continuidade da produção de imunizantes no Brasil. O Instituto Butantan já informou não possuir mais insumos para produzir novas remessas da vacina Coronavac. Crendeuspai!


Prepare o bolso


Prepare-se para pagar mais caro pela água que chega em sua torneira. A partir do próximo mês, o produto vendido pela Deso ficará 5,36% mais caro. Este reajuste deveria ter sido aplicado em 2020, porém, por conta da crise causada pela covid-19, a estatal deixou para cobrá-lo agora. O deputado estadual Georgeo Passos (Cidadania) é contra o aumento, pois a população ainda sofre com a pandemia, a economia e os empregos continuam muito fragilizados. É vero!


Ressaca eleitoral


Os bolsonaristas derrotados nas eleições em Aracaju ainda curtem a ressaca eleitoral. Muito falantes antes do pleito, os discípulos do presidente Bolsonaro botaram a viola no saco e sumiram do cenário político. Alguns ainda apostam na criação do embrionário partido Aliança pelo Brasil, enquanto outros pensam em trocar de legenda para ver se terão melhor sorte nas eleições de 2022. Então, tá!


Fora de combate


O prefeito de Maruim, Gilberto Maynart (PT), testou positivo para a covid-19. O petista informou que sente apenas sintomas leves, estando em isolamento domiciliar, trabalhando de casa. “Creio que Deus está no controle de tudo e peço as orações de todos. Tenho fé e confiança que isso logo vai passar! Deus abençoe a cada um, cuidem-se”’, escreveu o prefeito. Melhoras!


Vidas secas


“A fome faz o homem procurar caminhos nunca andados. O que importa! Ele vai por aí! Todos os caminhos o levam para lugar nenhum. Ele sabe que é macho. Cabra da peste e que vive no agreste, mas é um nordestino sem destino. Seu destino é enfrentar a seca terrível do sertão. Vida de graça. Vida sem graça, Vida desgraçada. Vida desigual”. Como é atual este trecho do romance Vidas Secas, escrito pelo alagoano Graciliano Ramos. Oh, céus!


Recorte de jornal



Publicado no jornal aracajuano O Tempo, em 22 de junho de 1950.